segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Amor mío...

Iá no puedo compartir sus lábios.

Nunca pude. Estive longe. Longe,longe... aqui do lado.

E estive fazendo coisas. Coisas. Não me sinto bem. Não assim.
E ninguém resiste muito tempo.E muito menos eu.

Amor? Quero puro.
Não aconteceu. Não comigo.

Nunca tive. Amor.
Puro.
Um amor que ocorresse sem sensualidade. Que fosse só amor. Sem pedir nada em troca. Sem querer nada além de amar. Que não me forçasse. Que não me obrigasse.

A fidelidade deveria ser facultativa. Existem tantos modos diferentes de amar.
Ah, minha bela! Ah, morena!
Se soubesses... Se soubesses não faria diferença.
Pois não te importas com a pureza do amor. Talvez com a sensualidade.

Queria poder mostrar. Mostrar que meu amor é só de coração.
É só coração. É da onde vem. E nada mais importa. O amor vem do nada. De nada.
Apenas amar.

Só.

Sentir a pureza do amor. O amor vem de um lugar mais alto que os quadris.